quarta-feira, 2 de janeiro de 2013

Diferencial - funcionamento


Quando um veículo anda em linha reta as suas rodas percorrem um mesmo  caminho e portanto o número de giros para as rodas de mesmo diâmetro é igual. No entanto quando o veículo faz uma curva as rodas não fazem o mesmo percurso. Há uma circunferência menor a ser percorrida e outra maior. Analisemos um veículo com tração traseira. Vemos que foi preciso encontrar uma maneira de transferir a força do motor para os semi-eixos de cada roda, considerando o fato de terem essas rodas trajetórias diferentes.
Essa invenção que foi chamada diferencial que quando se se entende o seu funcionamento percebe-se que é algo realmente simples, genial, admirável. Esta invenção é atribuida ao francês Onesiforo Pecqueur (Chefe de Oficina no Conservatório de Artes e Ofícios de Paris) em 1827.



Entre os vários tipos de travamento diferenciais que existem, sem dúvida o mais utilizado e, provavelmente, a mais eficaz é "placas" de fricção. Este diferencial de cruz umas sobre as outras, mas que constituem duas partes separadas, em vez de correntes diferenciais, onde formam uma única peça, com quatro braços.
As extremidades de ambos os eixos no caso do acoplamento diferencial são entalhadas com dois planos que formam um "V". Os alojamentos de cada eixo, no caso diferencial são de grandes dimensões, de modo que o eixo entre uma folga substancial. Estas acomodações também entalhada duas rampas também formando um "V" do mesmo ângulo que os veios existentes.

As engrenagens planetárias são análogas às de um diferencial convencional. Cada engrenagem planetária está envolvida em respectivos eixos estriados, o que por sua vez, se encaixam em cada uma das duas metades da caixa do diferencial. Entre cada metade da caixa e o casquilho correspondente ranhurada existe uma embraiagem que compreende placas de fricção e anilhas de aço.

A posição de equilíbrio dos veios de satélites e, em seguida, interrompe-se o eixo da roda de aderência ainda tem rampas ascende em "V", exercendo uma pressão sobre o pinhão planetário que agora se aplica força no cubo estriado . Este movimento comprime as placas de embreagem do lado planetário e é integral com a caixa do diferencial, cancelando assim o efeito diferencial.

Assim que nós compreendemos, temos que ver o que produz o famoso "diferencial de deslizamento limitado".

Ganhamos estabilidade: com dispositivo de bloqueio, quando uma das duas rodas motrizes perder aderência (aumentos de uma curva, que passa sobre um pedaço de gelo, etc), o seu descontrole não ocorre e, portanto, existe um risco de que diferenciais normais dá a roda, girando louco, então desviar para recuperar a sua aderência normal. Na prática, isto resulta em uma característica de alta segurança, que é especialmente notável nas curvas.

video